Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Medidas e medições para todos

Crónicas de reflexão sobre medidas e medições. Histórias quase banais sobre temas metrológicos. Ignorância, erros e menosprezo metrológicos correntes.

Medidas e medições para todos

Crónicas de reflexão sobre medidas e medições. Histórias quase banais sobre temas metrológicos. Ignorância, erros e menosprezo metrológicos correntes.

EVOLUÇÃO METROLÓGICA

EVOLUÇÃO METROLÓGICA

Normalização, uniformização, popularização

 

Todos os sistemas se transformam e mudam: os sistemas naturais evoluem, os sistemas humanos são reformados (ou revolucionados) e evoluem por darwinismo científico, tecnológico, político e societal.

Simplificação, racionalização, normalização, uniformização, democratização, popularização, banalização e globalização das medições, das medidas e de um sistema metrológico universal, são diferentes perspetivas e vertentes da evolução (e reforma) metrológica*.

A maior mudança metrológica terá sido a criação do Sistema Métrico**, precursor do SI.

A derivação de novas unidades de medida (por exemplo, para novas grandezas), a partir de unidades de base (ou derivadas) pré-estabelecidas, é também um processo que fica muito simplificado com o Sistema Métrico e o seu sucessor, o SI, ou Sistema Internacional de Unidades.

Todavia, um dos aspetos mais importantes da evolução metrológica é a adoção de uma referência universal, de um padrão, da mesma bitola (para cada grandeza e sua unidade de medida de base) por e para todos (os medidores). Uma evolução … na convergência.

O Sistema Métrico Decimal, alegadamente o primeiro sistema metrológico mais racional, mais lógico, mais razoável, mais simples e mais universal, surgiu (de propostas antigas) nos planos político, societal e técnico, com a Revolução Francesa, uma revolução que, a prazo, e a prazos variáveis e com diferentes cambiantes, abalou (política e socialmente) uma parte muito relevante do mundo.

A evolução da Metrologia, mormente da Tecnologia Metrológica – a par e ligada a muitas outras tecnologias e outras Ciências –, ocorreu, cumulativamente, nos instrumentos, nos conceitos, nos princípios metrológicos, nas técnicas, nos métodos, nos padrões, nas necessidades científicas, entre outras necessidades e tendências evolutivas/reformadoras.

Contudo, primeiro era o dia‑a‑dia e a Tecnologia (metrológica), por via das necessidades e utilidades práticas (comerciais e outras); depois, necessariamente, avançou a Ciência (metrológica).

Porém, para a generalidade dos consumidores, cidadãos e utentes, a vertente mais relevante da Metrologia é a “Metrologia Legal”, a que estabelece e impõe o sistema de unidades a usar num estado, país ou comunidade, e o conjunto de autoridades (necessárias e suficientes) que gerem o sistema e os direitos e os deveres de todos os agentes envolvidos: comerciantes, organismos controladores e autoridades certificadoras, calibradoras e de arbitragem.

 

* A evolução metrológica, melhor, a(s) reforma(s) metrológica(s) poderá(ão) balizar‑se, por exemplo, por três níveis: o nível moral e ético (a Bíblia propugna pela medida justa); o nível político e societal (a Magna Carta, dos ingleses, estabelece a medida devida); o nível legal e normativo (leis impondo e obrigando à utilização de unidades, calibração e protocolos legais, através de normas, métodos e procedimentos compulsivos, com sansões aos não cumpridores que ignorem a medida legal).

 

**Jamais algo de maior e mais simples, de maior coerência em todas as suas partes saiu da mão dos homens – Antoine Laurent de Lavoisier, em 1794 (ano em que foi guilhotinado), a propósito do Sistema Métrico Decimal.

 

2021-02-25

METROLOGIA MEDIÁTICA E POPULAR

METROLOGIA MEDIÁTICA E POPULAR

Respigos antológicos

 

Respigos quase metrológicos; registos quase antológicos e outras citações:

 

Uma quantidade de vento enorme;

Um número exponencial;

O arrefecimento da temperatura;

O que será pior: a temperatura quente, ou a temperatura fria?;

Menos setenta graus negativos;

Radares vão medir as velocidades entre trajetos;

Conjugação de um conjunto de ingredientes atmosféricos;

Pode mudar de género e de nacionalidade, mas não pode mudar de altura;

Estado de calamidade começou hoje às 24 h;

Pão, arroz, ou massa, em doses boas e a horas certas ajudam a emagrecer;

Gastar as forças todas;

Uma grama de energia;

Campeão do mundo de Judo em -100kg;

50 km de marcha femininos;

22° C, vinte e dois grauscentígrados;

Correu a milha em 4.22,45 minutos;

Deu uma volta de 180 graus;

A vida dela virou do avesso, rodou 360 graus, ou mais;

Os tempos estão a adensar-se;

36 mM US$ (trinta e seis mil milhões de dólares americanos);

Teve negativa, teve 8.

 

E upgradings (!) de estilo e de estética; e aggiornamento (!) semântico*:

 

Os dados são todos científicos;

Só há estudos científicos;

Todos as subidas são exponenciais;

Os centros foram promovidos a epicentros e deixaram o léxico corrente;

As resiliências substituíram as resistências;

As relações deram lugar às correlações;

Os métodos e os objetivos foram eliminados para dar lugar às estratégias;

As tecnologias novas são novas tecnologias;

Acabaram os modelos; vivam os paradigmas;

Os procedimentos foram substituídos pelos protocolos;

Os quilómetros‑hora sobrepõem‑se aos quilómetros por hora;

Os quilowatts/hora predominam sobre os quilowatts‑hora;

O raio vale por diâmetro, perímetro e área de qualquer contorno/superfície;

Reduzir ao máximo é o mesmo que reduzir ao mínimo;

Algumas estações de rádio ainda se propagam no éter;

O argumentário reducionista, simplório e simplista aristocratizou-se em teorias;

A grama, o síndrome, o covid, o interface, entre outros, são transgénero(s);

A tecnologia elidiu a técnica.

 

* Há quem diga que não é erro, nem ignorância, nem incompetência (linguística?); é uma desconstrução e um enriquecimento linguísticos através de uma nova ética, um novo estilo e uma nova estética comunicacionais! A novilíngua!

(É assim a língua – sempre a avançar!; e sem recuos. Como a entropia?!)

 

2021-02-18

O QUE MEDEM OS RELÓGIOS?

O QUE MEDEM OS RELÓGIOS?

Tempo é “aquilo” que os relógios medem?!

 

Quase todos chamamos “tempo” àquilo que lemos nos relógios, mas, aparentemente, não sabemos se, para além de contarem os seus próprios impulsos, ou batimentos – na maior parte dos relógios –, eles contam/medem (mais) alguma coisa (real).

Não vemos as horas no relógio: vemos as horas do relógio, isto é, o estado ou condição de cada relógio, diferente, variável, de relógio para relógio*.

(Contudo, há regras, métodos e convenções para a sincronização dos relógios. A dos relógios dos ingleses era feita através dos horários dos seus comboios!)

Aparentemente, não há outro tempo senão o que imaginamos e medimos nos relógios (“tempo cronológico”), embora refiramos frequentemente tempos não físicos, como, por exemplo, o “tempo psicológico”, o “tempo histórico” e o “tempo natural”**. E muitos acreditam que “o tempo resolve tudo”.

Os relógios em cima da mesa medem menos – são mais lentos – do que os relógios no chão. Este facto (fato, em brasileiro) foi já constatado experimentalmente, e deve-se ao fenómeno de a gravidade em cima da mesa ser inferior à que se mede no chão***.

A idade de cada um, para quem vive na montanha, avança mais devagar do que a de quem vive no vale; os habitantes dos vales envelhecem mais depressa do que os da montanha!

O cidadão comum não sabe disto, nem tem necessidade de saber por que é uma irrelevância (prática). Alguns até usam relógios originais e artísticos, sem graduação; sabe-se, pela posição dos ponteiros, que serão “pra aí” quatro, ou cinco horas.

 

* – “Um homem com um relógio sabe que horas são; um homem com dois relógios nunca tem a certeza” (Lei de Segal, uma lei das do âmbito das leis de Murphy).

  – “Um relógio parado está certo duas vezes por dia”.

  – “Não percebo porque se perde tanto tempo a discutir o tempo, que não é nenhuma entidade metafísica, é apenas uma empresa de demolições”, opinou António Lobo Antunes.

  – A temperatura indicada por um termómetro é determinada pelo meio que contacta; o tempo indicado por um relógio é uma indicação do seu estado.

 

** Einstein, entre outros, terá dito que “o tempo é uma ilusão”, todavia, há quem se refira à “seta do tempo” – inextricável da impossibilidade da diminuição da entropia –, como indício, ou prova, de que o tempo não seria uma ilusão, ou ficção. (Um prato que caia e se parta no chão não voltará a integrar‑se e a subir, apesar da probabilidade/esperança – muito menos do que ténue! – que a Mecânica Quântica parece oferecer para este milagre.)

 

*** Para começar a aceitar e a convencer-se disto, pense, leitor, por exemplo, na expressão que o período do pêndulo: T=2 π(l/g)½, em que T é o período de oscilação – o tempo que leva uma oscilação completa –, l o comprimento do pêndulo e g a aceleração da gravidade local.

Quando g cresce (por exemplo, quando descemos da torre da igreja para a base), T (o período) diminui, isto é, a frequência (1/T) aumenta, ou, de outro modo, o pêndulo oscila mais rapidamente. Com g=0 (T=∞) os relógios de pêndulo não funcionariam (e, aparentemente, os outros relógios também não).

Com a Teoria da Relatividade, à velocidade da luz, (cientificamente) o tempo não fluiria, diz-se.

 

2021‑02‑11

METROLOGIA SEM NÚMEROS?

METROLOGIA SEM NÚMEROS?

Medir com olhómetro

 

Com alguma frequência as avaliações e estimativas (quantificadas) são feitas com olhómetro, a olho; com olhos e cabeça; um exemplo: a perceção da temperatura atmosférica.

Um árbitro, por exemplo, no futebol, qual juiz (de direito), decide de acordo com a perceção de factos; todavia, cada vez mais frequentemente com ajudas tecnológicas, embora as Decisões Ajudadas por Tecnologia nem sempre sejam incontestadas.

O jogador de futebol é com frequência penalizado pelo árbitro, pela intensidade do contacto com o adversário em algumas disputas de bola.

 – Qual intensidade? – O futebol não é um jogo viril?! (Apesar da modalidade do “futebol feminino”?!; virilidade poderá ter pouco a ver com agressividade!?)

 – Quem avalia a intensidade do contacto? – Quem determina a intensidade do contacto? – O árbitro! – Ele mede? – Não! – Ele decide a olho, com olhómetro, em geral com a reprovação exteriorizada e ruidosa dos adeptos do clube do jogador penalizado, e as palmas dos adeptos do clube adversário (quando havia adeptos nas bancadas dos estádios.)

Medindo, o que seria a “intensidade de contacto”?: a força?!; a quantidade de movimento (momentum, momento linear), ou impulso?!; a energia cinética?!; a “força viva”?!; o choque?!; “outra coisa”?!; uma combinação de várias destas grandezas (e da coisa) físicas?!

Poderá haver Metrologia credível, comparável, contraditável, sem medição?; sem medidas, sem quantificação objetiva, sem informação experimental?!

Frequentemente somos brindados com o dado referente à velocidade da bola que entrou na baliza; e também com o número de quilómetros (aliás, kilometros) percorridos pelo jogador X durante um determinado jogo.

Com medições e medidas talvez o futebol deixasse de ser o epifenómeno catártico que parece preparar as pessoas para a monotonia da semana de trabalho seguinte e, simultaneamente, permite descarregar tensões acumuladas na semana anterior. Sem ambiguidade, sem fantasia e sem expectativa não há margem nem grande estímulo para a dilatação e prolongamento das discussões (futebolísticas) fora do estádio.

E, já agora, o amor clubístico – a “intensidade do amor clubístico” – é quantificável, graduável, mensurável? Não?! Todavia, está sujeito a gradações e variações – há os adeptos muito ferrenhos, ferrenhos, assim‑assim e pouco ferrenhos, entre outras gradações –; não parece ser fenómeno de tudo‑ou‑nada.

E estar adoentado, doente, muito doente – será mensurável?

Os médicos – em geral um coletivo de médicos – já atribuem “grau de incapacidade” às pessoas com deficiência (quer congénita, quer adquirida): a deficiência (um fenómeno complexo) seria mensurável, ou, pelo menos, quantificável! (Sem grande reprodutibilidade, presume‑se!)

E quando os médicos dão baixa de três dias aos doentes, e não, por exemplo, de dez dias, medem? É tudo a olho, com “olhómetro”?

Fica-se doido, ou vai-se ficando doido? O processo é gradativo (do idiota ao doido varrido), ou é um fenómeno de tudo‑ou‑nada?

A experiência, por exemplo, a experiência profissional, é quantificável?; mensurável?, para além do número de anos de prática profissional?!

O que não se pode exprimir por números é naturalmente mais ambíguo.

 

2021-02-04

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub